Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegue aqui

Crítica: Sobre Rodas

Sobre Rodas encanta e leva público de volta à infância, resgatando memórias e sentimentos vividos por todos nós, e assim conecta sua audiência com a história que se desenrola na tela.
Sobre Rodas

O cinema para crianças sempre foi tido como algo bobo ou simplório, cuja função geralmente não foge da pura diversão ou da lição de moral edificante para ensinar bons valores aos pequenos. Evidentemente que há uma série de nuances entre estes dois espectros, e a moda mais recente – pós filmes da Pixar – se mostra ser o equilíbrio entre o “filme para adulto” e o “filme para criança”, contendo piadas e lições para pais e filhos, e que só fazem sentido para seus respectivos alvos, um passando despercebido pelo outro. Há um mérito enorme neste modelo, mas há uma certa nostalgia em se deparar com uma obra feita para as crianças, sem ridicularizar ou dramatizar demais suas vidas, mas preocupada em fazer com que a menina e o menino, já não tão pequeninos assim, se identifiquem de verdade com o que é visto na tela. Este trato com a criança - entre seus 10 e 14 anos mais ou menos – dedicado a vê-la como “grande o suficiente” para algumas coisas, falando de seu cotidiano e de suas responsabilidades e medos, era mais comum nos anos 80 e 90, quando vimos clássicos como Karatê Kid – A Hora da Verdade (com Ralph Macchio, 1984), Meu Primeiro Amor (com Macaulay Culkin, 1991) e O Jardim Secreto (de Agnieszka Holland, 1993), mas perdeu espaço para histórias com o mesmo objetivo, mas cheias de elementos fantásticos como As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl (de Robert Rodriguez, 2005) ou Diário de Um Banana (com Steve Zahn, 2010).

Pois é com muita consciência de quem quer atingir que o diretor, estreante em longas de ficção, Mauro D'Addio conduz o belo Sobre Rodas, ganhador de prêmios de público e crítica, dentre outros circuitos nacionais e internacionais, nos festivais de Toronto e Chicago para filmes infantis. Graças ao complicado mercado audiovisual brasileiro, Sobre Rodas já circula pelo mundo afora desde 2017 em mostras e festivais, mas só agora chega aos cinemas brasileiros para uma audiência mais abrangente, e conta a história de duas crianças que se juntam numa pequena jornada em busca do pai de uma delas. Lucas (Cauã Martins que é encantador), após um acidente que lhe tirou o movimento das pernas, retorna à escola e enfrenta todos os problemas de aceitação de sua nova condição que são esperados de qualquer pessoa e lá conhece Laís (Lara Boldorini, convincente e ingênua como deve ser), que ajuda sua mãe a vender café-da-manhã para caminhoneiros e sofre por não saber quem é seu pai. Juntos, após uma pista pra lá de fria, os dois decidem ir atrás de encontrar o pai de Laís e vivem sua primeira experiência de liberdade, onde aprendem que nem tudo é o que parece e sentem os primeiros traços de um amor juvenil de início de adolescência.

D’Addio não ridiculariza os dramas das crianças, nem faz de suas vidas duras demais para causar pena no espectador. Laís é claramente uma menina pobre, mas isso não é a causa de seu sofrimento, assim como Lucas que não se torna deprimido por estar numa cadeira de rodas, mas sofre por se sentir incapaz graças ao excesso de zelo de sua mãe. O foco é total nas vidas dos protagonistas, vemos tudo de sua perspectiva, sem grandes vilões e heróis, mas apenas uma lição bonita e suave sobre não nos resumirmos aos que nos falta.

Ambientado numa cidadezinha do interior, com uma trilha de melodias alegres e uma química muito boa entre o jovem casal de protagonistas, Sobre Rodas encanta e leva público de volta à infância, resgatando memórias e sentimentos vividos por todos nós, e assim conecta sua audiência com a história que se desenrola na tela. Lembra muito o tipo de filme que assistíamos na escola, em dias de chuva, onde o recreio o as aulas ao ar livre ficavam prejudicadas. Leve e tratando seu público – as crianças – com respeito e carinho, o longa justifica todos prêmios que ganhou e termina nos dando um sorriso de canto de boca, remoendo uma boa saudade que nem lembrávamos que tínhamos mais.


Deixe sua opinião:)

Mostrar comentários 💬