Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegue aqui

Crítica #2: John Wick 3 - Parabellum

Se depender do Baba Yaga (uma das alcunhas do personagem na saga), nossos filmes de ação estão temporariamente salvos.
John Wick 3 - Parabellum

Talvez perdendo apenas para o terror, o gênero de ação sempre sofreu muito nas mãos dos inúmeros produtos formulaicos que invadem o mercado todos os anos. Quanto mais uma obra se pretende a funcionar mais próxima de suas convenções originais, mais ela corre o risco de se limitar a elas. É por isso que não é incomum vermos o público sentido saudades daquele filme de ação “bom mesmo, bem raiz, sabe?”. Vítimas de visões cada mais infladas e exageradas, esses exemplares têm se rendido a derivações sem identidade e tendo sua principal proposta, a ação, prejudicada pela inabilidade com a câmera. Tanto é assim que basta um deles nos entregar uma boa sequência – significando aqui bem dirigida, coreografada e montada – para todo mundo se sinta animado com o “renascimento” do gênero.

E não podemos culpá-los. Nada é mais empolgante do que presenciar uma catarse no nível mais elementar do entretenimento e é justamente isso que o mais recente lançamento da trilogia John Wick (John Wick 3: Parabellum) faz. Se igualando a poucos “irmãos” de escola, como a franquia Missão Impossível e alguns exemplares asiáticos, o longa nos transporta para aquela descarga de adrenalina primária que tanto gostamos de dizer que, do fundo da nossa nostalgia, não existe mais. Pois agora dá para afirmar com tranquilidade: se depender do Baba Yaga (uma das alcunhas do personagem na saga), nossos filmes de ação estão temporariamente salvos.

A história de John começou da forma mais clichê possível: um homem que procura vingança depois que o filho de um chefe de uma organização criminosa comete o erro de roubar seu carro e matar o seu cachorro – e sim, a frase que saiu dos fãs e foi parar na história, “isso tudo por causa de um cachorrinho!?” é a forma econômica de justificar a jornada acima de explicações mais elaboradas. Sabemos (como fizeram questão de explicar desnecessariamente no 1º filme) que o filhote representa a última ligação com a esposa morta. Durante a continuação – e agora com o 3º longa – a coisa começa a descambar para o matador profissional que se vê obrigado a fugir da misteriosa organização que o empregou.

Do ponto de vista estrutural, é mérito dos criadores e roteiristas (Derek Kolstad, Shay Hatten, Chris Collins e Marc Abrams) fazer com cada etapa que o protagonista é obrigado a superar sirva como as fases de um videogame, onde seus inimigos vão se tornando cada vez mais difíceis e preparados. Primeiro ele se vinga de um peão, depois um antigo membro da Alta Cúpula tenta matá-lo (não consegue, claro) e, após desrespeitar uma das mais importantes regras do jogo, tem a cabeça colocada a prêmio pelo diretor do Hotel Continental, Winston (Ian McShane), que dá a ele uma hora de vantagem – mesmo ferido e cambaleando – em cima dos contratos abertos de 14 milhões de dólares pela recompensa.

Aliás, essa lógica de regras, contatos e territórios neutros faz parte de outro mérito gigantesco da produção: transformar o mundo meio absurdo de John Wick em um pretexto elegante que fundamenta as motivações e os caminhos que cada novo personagem percorre. Dessa forma, a verossimilhança da obra já tinha sido estabelecida antes, mas aqui é reforçada: há uma enorme organização criminosa liderada por 12 assentos (a Alta Cúpula), cujos braços se estendem a todos os lugares, sempre escondidos e praticamente onipresentes. As telefonistas operando máquinas da década de 1950 continuam lá, assim como os arquivos e contratos em papel, o câmbio próprio e os monitores antigos de tubo de imagem (até faz sentido se considerarmos que esse anacronismo provavelmente é o que impede que os segredos da organização sejam descobertos pela tecnologia da internet atual). Tudo em um charme particular que torna a coisa ainda mais divertida.

Aliado a essa construção de mundo peculiar, a própria maneira como os personagens reagem às regras da organização é responsável por dar o peso que ela necessita para funcionar na narrativa. Quando, por exemplo, após ser perseguido por um poderoso rival, John desaba em frente às escadarias do Continental, basta que ele coloque uma das mãos nos degraus para que ele esteja em território proibido para matar ou ser morto. Por mais vis que o os chefes da máfia sejam, o respeito (ou medo) que têm da Alta Cúpula é o suficiente para que essa lógica se mantenha – há até a função de uma espécie de oficial de justiça (interpretada de forma divertida por Asia Kate Dillon), que é responsável por levar os termos da cúpula, intimar e executar as penas de acordo com as contravenções de cada um.

Tudo isso pode parecer bobo, mas é um bobo que encontra eficiência na simplicidade e no fato de não necessitar muito de exposição para funcionar. É a narrativa trabalhando de forma econômica para que o longa ofereça logo o que tem de melhor. Dirigido novamente por Chad Stahelski (que trouxe sua experiência das artes marciais como instrutor de dublês na trilogia Matrix, entre outros), o filme é um prato cheio de soberbas sequencias de ação. A princípio, pode parecer repetitivo – já que aqui se resume a lutas corporais, tiroteios e algumas perseguições de moto –, mas isso não impede que o cineasta dê uma aula de como conduzir com maestria essas sequências. Dá para contar nos dedos de uma mão quantos planos fechados ou cortes rápidos (trabalho excelente do montador Evan Schiff) há em todos os 131 minutos. É possível não só enxergar tudo como apreciar cada momento graças aos planos longos e às coreografias brutais, que fazem questão de não poupar o público da violência.

Não há como não se lembrar, aliás, das lições que Jackie Chan tentou trazer para Hollywood quando foi fazer seus filmes lá: deixe que o espectador veja a ação e a reação em um mesmo plano, assim não é preciso que um corte disfarce a inabilidade do diretor e o despreparo do elenco. Isso tudo é o contrário aqui, já que, além de contar com a precisão de Stahelski, o longa traz um Keanu Reeves ainda mais dedicado e preparado fisicamente para o papel. É notório que o ator tem evidentes limitações dramáticas, mas quando escalado para papeis certos como esse, a parcimônia nos diálogos (conte quantas vezes ele fala mais de 3 ou 4 sentenças) permite que seu carisma transponha para a tela. Em resumo: fala pouco, mas bate muito e ainda é capaz de apresentar vulnerabilidade.

Fora todos os elogios em relação as coreografias e à direção, é preciso reconhecer o bom olhar estético da obra. Fotografado por Dan Lausten (A Forma da Água), o filtro de luz azulado e tons frios que tomava conta da melancolia da rotina do protagonista passa a ser substituído por ambientes amarelados e vermelhos, geralmente trabalhados em conjunto com um jogo de sombras que contribui para um clima urbano quase místico. Não só servindo de forma surpreendente para a narrativa em um longa desse tipo, o visual é parte da beleza estética por si só – por isso, mesmo sendo normal que se questione qual seria a real funcionalidade dos fundos futurísticos, brilhosos e as paredes, escadarias e ornamentos de vidro espalhados pelo Continental, o que importa é que eles elementos adicionam força para o propósito do filme. John Wick 3 diz o tempo todo: eu sei o que sou e vou te entreter assim mesmo.

Mesmo tendo completa noção de seu mundo e suas características, o longa talvez só peque por eventuais exageros (pois é, mesmo aqui). A onipresença quase sobrenatural da organização as vezes ultrapassa um pouco a própria verossimilhança interna da narrativa (quando convém, ora estão em todos os lugares, ora, não) e há um ou outro momento onde o humor perde o timing e a piada passa de hora. Mesmo assim, essas são exceções, já que a inserção de alívios cômicos trabalha de forma precisa sem jamais quebrar e tensão ou ritmo de uma sequência, além de servir como mais um lembrete para o público de que a dose certa de galhofa é benéfica para o bem de todos.

É por isso que não hesito em afirmar que uma obra como essa é tão Cinema (maiúsculo mesmo) quanto qualquer outra calcada em um grande drama existencial ou uma ficção científica repleta de grandes ideias. Deixar de apreciar filmes que “só servem para passar o tempo” é reduzir a linguagem cinematográfica apenas ao tema, e não á sua forma, tão passível de admiração quanto.

Se continuar bom assim, que venham mais Ethan Hunts e John Wicks por aí.



Deixe sua opinião:)

Mostrar comentários 💬