Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegue aqui

Crítica: Sueño Florianópolis

Sueño Florianópolis é o tipo de história que te deixa com vontade de ir a praia, seu roteiro não é inovador, mas passa longe de ser um filme ruim e vale pelo bom trabalho da personagem Lucrécia e de sua intérprete.
Sueño Florianópolis

Uma viagem em família é normalmente uma série de infortúnios e trapalhadas, com um dia ou outro de tranquilidade e alguns momentos que vão deixar saudades, mas de maneira geral, viajar é arrumar novos problemas, e é exatamente isso que Sueño Florianópolis mostra.

A co-produção Argentina/Brasil de Ana Katz nos apresenta a história de uma família Argentina buscando passar as férias juntos em Florianópolis.

Como em todo filme de férias, as coisas planejadas não saem como previsto e dão espaço a uma desordem aos membros dessa família que se mostra desestruturada. A iniciar pelo casal de psiquiatras Pedro (Gustavo Garzón) e Lucrécia (Mercedes Morán), aproveitando a deixa do filme de citar diversos ditados populares, “em casa de ferreiro o espeto é de pau” funciona bem para o casal, pois embora os dois estejam acostumados a lidar com situações adversas de outras pessoas, o mesmo não se repete em suas vidas. Pedro e Lucrécia estão separados, mas estão juntos para a viagem, existem em Pedro uma pequena esperança de que o assunto se resolva melhor que o esperado, ele espera voltar a formar uma vida com sua esposa. Entretanto a mesma visão não é compartilhada com Lucrécia, ela se vê mais longe do marido e a fim de encontrar novas experiências mesmo que para isso tenha que receber o ônus de romper o matrimônio.

No meio deste impasse sentimental, surgem Marco (Marco Ricca) e Larissa (Andréa Beltrão). Marco é o estereótipo do brasileiro boa praça, amigo de todo mundo, não entende uma palavra em castelhano, vive de sunga, tem uma mulher diferente por dia, e é ex-marido de Larissa. Ela por outro lado é uma mulher de costumes mais simples disposta a aceitar as coisas que a vida lhe proporciona. Larissa queria ter filhos, mas se conforma em criar César (Caio Horowitz), filho de Marco com outra mulher, de maneira geral, é interessante observar o ponto de vista da personagem diante dos fatos ocorridos no longa, Larissa se mantém otimista e contemplando tudo ao seu redor, sempre vendo pontos positivos nas mais variadas situações, exemplo disso é quando sua personagem sai das águas geladas da praia e quando perguntada se não está com frio, responde com “Eu vi duas tartarugas”, a personagem é aquela pessoa “local” que está acostumada com as idas e vindas dos turistas e da vida.

Quem tem menos espaço em tela é o elenco jovem, como Caio Horowitz, que fez uma boa participação em Califórnia (2015), tem pouco mais de dez frases durante todo o longa, o mesmo acontece com Flor (Manuela Martínez) e Julián (Joaquim Garzón). Julián passa boa parte do tempo tentando convencer seus pais a deixá-lo ir a Bombas e Bombinhas, praias mais distantes do local onde estão. Flor passa a maior parte do tempo com César vivendo o amor de verão.

O longa, aliás, não abre espaço para que haja boas interpretações, o grande destaque fica a cargo de Mercedes Morán, pois Lucrécia funciona como fio condutor da história. Marco Ricca também apresenta um bom desempenho, mas todos parecem estar bem, porém sem ter como crescer suas atuações.

A direção de arte faz um bom trabalho de ambientação de época, com carros, figurinos e objetos de cena, mas vez ou outra passa despercebido a época do longa e se sobressai a perspectiva de que as vestes das personagens são diferentes por serem turistas e moradores de uma região distante das metrópoles.

O ponto mais fraco do longa reside em seu roteiro. Escrito pela própria diretora, o texto da comédia dramática não apresenta nenhum tipo de caminho diferente do já previsto ao ler a sinopse do longa. Embora os diálogos tenham certo brilho, os caminhos adotados para as personagens tornam-se incômodos o suficiente para escantear o sucesso nas falas do longa. Ao receber a informação de que o casal está em crise, já se imagina qual será o papel de cada personagem na história, o mesmo acontece com César, Julián e Flor, até mesmo a cena final é previsível. O roteiro se perde ao não equilibrar as ações dos personagens e querer se aprofundar muito nas questões psicológicas dos familiares, não que seja ruim se aprofundar no estudo de personagem, mas quando se quer falar de muita coisa, às vezes falta tempo, e é o que ocorre em Sueño Florianópolis.

A montagem é outro elemento que não se encaixa com perfeição, a opção de dar tempo aos personagens pensarem nas traduções antes de responder, deixa o ritmo dos diálogos levemente truncados, embora seja um detalhe compreensível e real, dentro de uma narrativa ficcional esse tempo incomoda.

A direção de fotografia tenta contemplar duas áreas diferentes e isso prejudica um pouco a percepção da história. Em vez de tons saturados e com muita luz solar, o longa é fotografado com tons pálidos e cinzentos, o verde não é tão verde e o amarelo é quase branco, a escolha contribui para situar o público nos anos 90 e na criação do drama familiar, mas falha ao dar brilho para os momentos de descontração do grupo, os momentos aliás não parecem se encaixar com a trama, se parecem mais como um riso de nervoso. Os melhores momentos da cinematografia estão nas cenas noturnas, como quando Lucrécia e Pedro estão jantando, ou mesmo nos bares visitados por eles.

O trabalho de Ana Katz em Sueño Florianópolis é razoável, pois a diretora demonstra muita atenção para diversos detalhes que nas mãos de um diretor inferior, passariam despercebidos. Ela demonstra um bom timing cômico ao inserir pequenas piadas em momentos tensos do filme, e é interessante como ela utiliza a principal canção do longa para mudar os eixos da história e gerar uma visão diferente para a música.

Sueño Florianópolis é o tipo de história que te deixa com vontade de ir a praia, seu roteiro não é inovador, mas passa longe de ser um filme ruim e vale pelo bom trabalho da personagem Lucrécia e de sua intérprete.




Deixe sua opinião:)