Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegação

Especial Sexta-Feira 13: 13 Ótimos Filmes de Terror que Você Possivelmente não Assistiu

Superstições à parte, “sexta-feira 13” é um dia divertido para cinéfilos, já que assim como no Halloween, vários colegas realizam sessões temáticas de filmes de terror para “comemorar” a data.
Especial Sexta-Feira 13: 13 Filmes de Terror que Você Possivelmente não Viu

Mal começamos o ano de 2017, traumatizados pelos eventos de 2016, e já encaramos uma “Sexta-Feira 13”. Terror dos supersticiosos, essa cabalística data (originada na mitologia nórdica) faz com que as pessoas a encarem como mau agouro; evitando gatos pretos (coitados), não abrindo guarda-chuvas dentro de casa, mantendo os talheres alinhados e cobrindo os espelhos.

Superstições à parte, “sexta-feira 13” é um dia divertido para cinéfilos, já que assim como no Halloween, vários colegas realizam sessões temáticas de filmes de terror para “comemorar” a data. Além disso, como se esquecer do marco da data para o cinema de gênero, pela festejada franquia “Sexta-Feira 13”? Aliás, a Paramount Pictures está prometendo um novo filme para a saga do taciturno Jason Voorhees, a ser lançado no segundo semestre desse ano. Desde já prometemos um especial sobre a franquia para a comemorar o lançamento do filme!

VÁRIAS vezes, já pudemos acompanhar listas e mais listas, em sites especializados, sobre “Os Melhores Filmes de Terror de Todos os Tempos” ou até mesmo “Os Melhores Filmes de Terror para se Assistir em uma Sexta-feira 13”. Para quem tem interesse, o Rotten Tomatoes tem uma compilação de filmes do gênero bem interessante. No entanto, nós da equipe Loucos por Filmes, preparamos para os leitores, uma lista diferenciada para celebrar a data e auxiliar os colegas amantes de cinema a selecionar películas para a data: “13 Filmes de Terror que Possivelmente Você Não Viu”.

Como vocês já devem ter percebido pelo título, a lista não tem a intenção de compilar os melhores filmes de terror, clássicos do gênero, filmes importantes para a histórias do cinema ou afins. Pelo contrário, a intenção é trazer alguns exemplos de bons filmes de terror que podem ter passado despercebido pelos fãs da sétima arte, seja por lançamentos comerciais limitados ou por serem mais antigos.

Para selecionar os filmes foram determinadas algumas regras:
  1. A lista é direcionada para o público que apenas curte assistir a filmes, como também para cinéfilos e verdadeiros Loucos por Filmes. Portanto, considerando o conhecimento desses últimos acerca da sétima arte, a lista se restringiu bastante;
  2. Obviamente, não foram considerados grandes clássicos do gênero. Mesmo que algumas dessas obras ainda não permaneçam tão vívidas na memória das pessoas.
  3. Filmes de terror de diretores conhecidos e renomados, especialmente do gênero, também não estarão presentes. Portanto, obras subestimadas e/ou menos conhecidas de diretores como William Castle, Mario Bava, Lucio Fulci William Friedkin, Dario Argento, George A. Romero, David Cronenberg, John Carpenter, Sam Raimi, Wes Craven, Tobe Hooper, Brian de Palma, Nicolas Roeg, Roman Polanski e tantos outros, não foram consideradas. 
  4. Filmes que possuam títulos icônicos entre a comunidade cinéfila também não foram selecionadas; obras como O Ataque dos Vermes Malditos, A Coisa, A Bolha Assassina, A Morte Pede Carona e filmes da “Espantomania” dos anos 80 (filmes que começavam com “A Hora” no título, a exemplo do sucesso de A Hora do Espanto). As chances de os fãs de cinema ouvirem esses títulos e procurarem os filmes correspondentes também são altas. Da mesma forma, foram desconsiderados filmes que tiveram refilmagens atuais e/ou famosas.
  5. Demos prioridade para filmes que tiveram lançamento comercial mais restrito no Brasil. Além de filmes que talvez nem tenham lançamento em DVD e/ou Blu-ray. Alguns deles, inclusive, nem foram lançados oficialmente no nosso país, mesmo após vários anos de produção.
  6. Por último, ficou decidido por selecionar oito filmes do século XX e cinco filmes do século XXI.
Esperamos que essa lista estimule vocês, nossos leitores, a procurar os filmes escolhidos para celebrar, com sustos e diversão, essa simbólica data da nossa cultura ocidental.
Todos estão listados a seguir em ordem de lançamento.

1 – Noite do Terror (Black Christmas, 1974) de Bob Clark


Esse filme canadense do mesmo diretor da pornochanchada Porky’s – A Casa do Amor e do Riso, pode ser considerado o pai dos filmes slashers americanos (o avô seria Dementia 13, de Francis Ford Copolla).

Repleto de uma aura sinistra de horror iminente (muito graças à câmera subjetiva implementada pelo diretor), Noite do Terror subverte o significado de amor e paz tradicional do Natal para uma série de assassinatos em uma irmandade, proferidas por um assassino bizarro de passado nebuloso.

O filme possui ótimos desempenhos da bela Olivia Hussey (Romeo e Julieta de 1968) e John Saxon (A Hora do Pesadelo), além de uma jovem Margot Kidder (a Lois Lane de Superman – O Filme).

Destaques para uma cena de assassinato durante uma apresentação de coral de natal (aqueles olhos...) e a conclusão que inspira terror apenas pela sugestão de um telefone tocando (!).

Outra dica no estilo terror de stalker: Mensageiro da Morte (When a Stranger Calls, 1979) de Fred Walton.



2 – A Sentinela dos Malditos (The Sentinel, 1976) de Michael Winner


O longa sobrenatural de Michael Winner foi lançado após o estrondoso sucesso de O Massacre da Serra Elétrica e antes de Halloween – A Noite do Terror, ou seja, foi um filme de terror com temática deslocada em meio ao auge do horror moderno. Uma pena, já que é um excelente exemplar do gênero.

Mais conhecido por filmes de ação (como Desejo de Matar e Assassino a Preço Fixo), o diretor Winner também realiza um excelente trabalho em terror. O britânico demonstra habilidade em criar uma atmosfera fantasmagórica efetiva para uma longa sobre “casa mal-assombrada”; fazendo, assim como Hitchcock, o público ficar na beira de seus assentos até o choque como recompensa.

Sem contar que o filme conta com um elenco FORMIDÁVEL, que inclui nomes como Ava Gardner, Eli Wallach, Burgess Meredith, Sylvia Miles, John Carradine, Chris Sarandon e Cristopher Walken. Como cereja do bolo, o filme ainda apresenta trabalhos de maquiagem de Dick Smith, o MESTRE por trás de clássicos como O Exorcista.

Outra dica no estilo “casa mal-assombrada”: A Troca (Changelling, 1980) de Peter Medak.



3 – Fantasma (Phantasm, 1979) de Don Coscarelli


Essa pérola de Don Coscarelli possui uma grande aura cult ao seu redor, inclusive por parte de grandes cineastas como J. J. Abrams, que foi responsável por supervisionar a restauração do filme e relançamento nos cinemas estadunidenses no ano passado.

Muito reverenciado pelos fãs de terror, Coscarelli é capaz de, com poucos recursos e muita imaginação, criar uma mistura de terror sobrenatural, monstros, ficção-científica, viagens no tempo e realidades paralelas com um toque de H.P. Lovecraft.

Prepare-se para se surpreender acompanhando o “Tall Man” (o icônico Angus Scrimm) em seu mausoléu e com suas bolas voadoras e os “minions” demoníacos. É importante frisar que Coscarelli é capaz de dosar com maestria o tom de terror e mistério (a cena final é ARREPIANTE) com outros momentos mais aventurescos e divertidos.

Destaque para a antológica trilha sonora, no melhor estilo anos 80 de John Carpenter.

Outra dica no estilo terror em mausoléu: Numa Noite Escura (One Dark Night, 1982) de Tom McLoughlin.



4 – Chamas da Morte/A Vingança de Cropsy (The Burning, 1981) de Tony Maylan


Após o sucesso de Halloween – A Noite do Terror, e a comprovação de efetividade da fórmula por Sexta-Feira 13 (pelo menos em bilheteria), vários outros slashers foram lançados na primeira metade dos anos 80. Dentre eles, está Chamas da Morte, um dos melhores do subgênero.

O filme foi lançado em VHS como Chamas da Morte, mas reprisado várias vezes na TV brasileira como A Vingança de Cropsy. Ainda mais divertido quando assistido hoje pelo fator nostalgia, o longa traz o “clássico” enredo de serial killer com passado macabro, buscando vingança em um bucólico acampamento à beira de um lago, cheio de adolescentes prestes a cometerem vários erros estúpidos.

A boa notícia é que o filme é muito bem dirigido e sabe explorar as cenas de morte (o maior chamativo desse subgênero) de forma a causar choque e intensidade, muito graças à excelente montagem de Jack Sholder. Outro ponto alto é a maquiagem FANTÁSTICA do mestre Tom Savini (responsável pelo clássico Despertar dos Mortos de 1978) e a trilha sonora nostálgica cheia de sintetizadores e toques soturnos.

Outra dica no estilo slasher: Quem Matou Rosemary? (The Prowler, 1981) de Joseph Zito.




5 – Demons – Filhos das Trevas (Demoni, 1985) de Lamberto Bava

O ano de 1985 foi um ano de ouro para os fãs de zumbis. Tivemos George A. Romero voltando ao universo que o consagrou com Dia dos Mortos; uma carta de amor ao subgênero pelo talentoso Dan O’Bannon (roteirista de Alien – O Oitavo Passageiro) em A Volta dos Mortos Vivos; o cult Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos; e, finalmente, o italiano Demons – Filhos das Trevas, dirigido pelo filho de ninguém menos que o renomado Mario Bava.

Brincando com a metalinguagem (a ação do filme se passa dentro de um cinema exibindo um filme de terror) a película é um festival de gore divertido que sempre nos surpreende com sua criatividade (as mutações pelos quais os zumbis passam são destaque).

Embora não conte com bons atores, ou mesmo personagens bem trabalhados, o roteiro raso é contrabalanceado por uma direção cheia de energia e entusiasmo que não faz o filme nunca perder o ritmo. Além disso, os acontecimentos vão se sucedendo de uma forma que surpreende a todos no fim do terceiro ato; imprimindo um grande potencial que não foi aproveitado nas sequências.

Para os fãs de rock’n’roll, o filme apresenta várias canções de vários artistas famosos da época, como Billy Idol e Mötley Crue.

Outra dica no estilo “zumbis demoníacos”: A Noite dos Demônios (Night of the Demons, 1988) de Kevin Tenney.



6 – Do Além (From Beyond, 1986) de Stuart Gordon

Oriundo do sucesso de Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos, Do Além também é uma adaptação de conto de H.P. Lovecraft e traz os mesmos talentos envolvidos, além do diretor Stuart Gordon, os atores Jeffrey Combs e Barbara Crampton.

Apesar de ser menos conhecido, e reconhecido, que o filme anterior, Do Além é ainda mais bem-sucedido. O filme faz justiça à imaginação soturna e bizarra de Lovecraft (os efeitos especiais de maquiagem e mecatrônicos são SENSACIONAIS), ao mesmo tempo que expande o universo concebido pelo pequeno conto. Trazendo aquela atmosfera divertida de filme B dos anos 80, Gordon ainda faz bom uso de uma fotografia cheia de cores brilhantes que intensificam o efeito psicodélico do universo paralelo de suas criaturas, além de intensificar a estranheza das mesmas. Ademais, o filme ainda traz uma excelente participação de Ken Foree, ator cult do cinema de terror desde Despertar dos Mortos.

Outra dica no estilo H.P. Lovecraft: Necronomicon – O Livro Proibido dos Mortos (Necronomicon: Book of Dead, 1993) de Cristophe Gans, Brian Yuzna e Shûsuke Kaneko.



7 – Deu a Louca nos Monstros (The Monster Squad, 1987) de Fred Dekker

Misturando dois sucessos dos anos 80, Os Goonies e Os Caça fantasmas, incluindo-os no mundo dos monstros clássicos da “Universal”, não teria como o filme de Dekker dar errado. E não deu; é um dos filmes de fantasia mais divertidos dos anos 80. Infelizmente foi um fracasso de bilheteria.

Fã do gênero fantástico, o diretor Fred Dekker faz uma carta apaixonada ao cinema de terror dos anos 30 e 40 com o retorno de seus monstros clássicos (Drácula, Frankenstein, Lobisomem etc), ao mesmo tempo que infunde a energia New Wave dos anos 80 com muito bom humor e aventura.

É preciso citar também a maquiagem do filme, que faz um trabalho FANTÁSTICO, principalmente com o Monstro do Pântano.

E se você gosta de Stranger Things, você vai adorar o grupo de crianças que lideram a película com muito carisma e energia.

Outra dica de filme dirigido por Fred Dekker: A Noite dos Arrepios (Night of the Creeps, 1986).



8 – Pumpkinhead – A Vingança do Diabo (Pumpkinhead, 1988) de Stan Winston

Stan Winston, o mago dos efeitos especiais responsável por O Exterminador do Futuro, Aliens – O Resgate e tantos outros, teve uma brevíssima carreira de diretor; sendo que seu filme de estreia foi esse desconhecido Pumpkinhead – A Vingança do Diabo, quase uma fábula macabra,

Basicamente uma versão de terror de Desejo de Matar, o filme possui uma carga pesada de horror e pessimismo que mistura um drama humano com vários dilemas (perda e vingança) em um universo fantástico e tenebroso com um monstro realmente memorável. Nesse sentido, o filme ecoa tons de Cemitério Maldito.

Winston se beneficia da presença sincera e genuína do veterano Lance Henriksen (o Bishop da franquia Alien) para trazer humanidade e drama necessários. Além disso, toda a ambientação do filme, unida à boa fotografia, inspira uma atmosfera assustadora. Reparem, especialmente, no ambiente da bruxa Haggis; uma personagem que não deixa nada a dever às bruxas do cinema de Dario Argento.

Outra dica de filme de terror “fabulesco”: Contos da Escuridão (Tales from the Darkside, 1990) de John Harrison.



9 – Alta Tensão (Haute Tension, 2003) de Alexandre Aja

Antes de ir para Hollywood comandar o ótimo Viagem Maldita e o divertido Piranha 3D, Alexandre Aja foi parte importante da popularização do New French Extremity (um estilo de filmes franceses com temas polêmicos e abordagens chocantes). O fato se deu graças ao intenso Alta Tensão.

Ultraviolento e CHEIO de suspense, Alta Tensão se inicia como um filme de invasão domiciliar extremo e se torna um filme de perseguição que mantém o espectador roendo as unhas até chegar em uma conclusão inesperada que subverte todo o significado do filme.

Aja ainda foi feliz em contar com uma excelente atriz como Cécile de France, que segura o filme todo o tempo e não faz feio frente a outras mulheres fortes do cinema fantástico como Ellen Ripley (Alien) e Sarah Connor (O Exterminador do Futuro).

O filme ainda conta com um vilão que parece uma mistura mais depravada de Michael Myers e o “Creeper” de Olhos Famintos (reparem em seu furgão).

Outra dica de filme de terror com final surpreendente: Kill List (2011) de Ben Wheatley.



10 – A Casa do Diabo (The House of the Devil, 2009) de Ti West

Nunca lançado oficialmente no Brasil, esse filme do talentoso Ti West não somente quer referenciar o cinema de terror do início dos anos 80, como também é filmado como se estivesse naquela época (os cartazes criados para o filme são SENSACIONAIS).

Não leiam nada sobre a história do filme, pois 99% das descrições contarão muito mais sobre o filme do que devem, estragando uma importante surpresa. Só basta dizer que ela inspira lembranças de um importante filme de terror do fim dos anos 60.

O diretor West trabalha magnificamente os sons ambientes e a ambientação soturna de uma mansão isolada para criar uma aura de fantasmagoria e apreensão; mantendo o horror (visual) para um atormentador terceiro ato.

Os saudosistas que gostaram das brincadeiras feitas em Planeta Terror e À Prova de Morte, vão adorar The House of the Devil.

Outra dica de filme dirigido por Ti West: Hotel da Morte (The Innkeepers, 2011).



11 – Triângulo do Medo (Triangle, 2009) de Cristopher Smith

Poucos filmes conseguem te dar uma sensação de sonho/pesadelo durante toda a projeção, e podemos dizer que o maior cineasta a ser efetivo nesse tipo de construção de atmosfera seja, talvez, David Lynch. Se for assim, Cristopher Smith se revelou um belo pupilo dos feitos de Lynch, pois ele cria uma obra-prima do suspense e surrealismo em Triângulo do Medo.

Injustamente lançado direto em home video, o filme merece ganhar um status cult enorme com o passar dos anos, já que apresenta um roteiro com narrativa intricada que te obriga a prestar atenção a cada detalhe apresentado. De quebra, o filme se passa em um navio desértico que poderia ser “primo” do Hotel Overlook; além de contar com um EXCELENTE desempenho de Melissa George (30 Dias de Noite).

Triângulo do Medo combina razão com emoção de forma trágica e assombrosa.

Outra dica de filme com narrativa “mindfuck”: O Espelho (Oculus, 2013) de Mike Flanagan.



12 – Tucker e Dale Contra o Mal (Tucker And Dale Vs. Evil, 2010) de Eli Craig

Muito melhor que os pastelões Todo Mundo em Pânico e na mesma linha de Todo Mundo Quase Morto, Tucker e Dale Contra o Mal nos oferece uma paródia respeitosa e divertida aos filmes de terror envolvendo rednecks assustadores.

O filme implementa divertidas referências a clássicos como O Massacre da Serra Elétrica e Amargo Pesadelo, porém, não é necessário você conhecer todos esses filmes para que ache graça das piadas.

Além disso, a química entre a dupla principal torna o filme inesperadamente adorável, trazendo mensagens sobre amor (!) e preconceito autênticas, engraçadas e nada maniqueístas.

Para aqueles que gostaram da metalinguagem de O Segredo da Cabana, esse filme de Eli Graig é um prato cheio.

Outra dica de filme de terror paródico: Terror nos Bastidores (The Final Girls, 2015) de Todd Strauss-Schulson.



13 – V/H/S (2012) de Adam Wingard, Chad Villella, David Bruckner, Glenn McQuaid, Joe Swanberg, Justin Martinez, Matt Betinelli-Olpin, Ti West, Tyler Gillet

Outro caso de um excelente filme que ainda não foi lançado comercialmente no Brasil mesmo após vários anos de sua estreia. V/H/S tem a excelente ideia de criar uma antologia (apanhado de várias pequenas narrativas diferentes) sob a estética do found footage.

Mesmo que a questão do VHS não se justifique realmente, sendo apenas uma referência saudosista, o filme traz boas histórias de terror, misturando vampirismo, alienígenas, assombrações e assassinos sempre com arcos interessantes. Há histórias que realmente dão muito medo pela apreensão (como aquela que acompanha as conversas de dois namorados por uma webcam); quanto outras que conseguem ser extremamente dinâmicas e assustadoras (a história final da casa assombrada).

O filme ainda gerou duas sequências, o igualmente divertido V/H/S 2 e o fraco V/H/S Viral.

Outra dica de filme de antologia: Contos do Dia das Bruxas (Trick’r Treat, 2007) de Michael Dougherty.



E você? Conhece algum outro filme de terror não tão conhecido que você queira indicar para os colegas? Indiquem na seção de comentários abaixo!
Divulgaí

Deixe sua opinião:)