Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegação

Crítica | Homem-Aranha: De Volta ao Lar

Um filme sobre fragilidade, amadurecimento e o verdadeiro significado de querer ser um herói.
Crítica | Homem-Aranha: De Volta ao Lar

Se por um lado havia uma responsabilidade em Kevin Feige (presidente da Marvel Studios) após o fracasso de Espetacular Homem-Aranha nas mãos da Sony, por outro, grande parte do público alvo identifica a eficiência da Marvel em suas produções, que embora transcorra uma divisão de direitos em De Volta ao Lar, a obra é certeira e satisfatória, fazendo justiça ao sarcasmo atribuído no subtítulo.

Com a direção de John Watts e estrelado por Tom Holland, Michael Keaton, Robert Downey Jr., Jon Favreau e Marisa Tomei, Homem-Aranha de Volta ao Lar encontra Peter Parker após os eventos de Capitão América: Guerra Civil tentando equilibrar sua vida como um estudante do ensino médio com a de Homem-Aranha, enquanto o vilão Abutre surge na cidade.

Inclusive, um dos pontos mais interessantes do filme reside ao estabelecer o Aranha de Holland no familiar universo cinematográfico da Marvel (MCU), lhe dando a cara e o pano de fundo da casa, ainda que se dê a liberdade de ousar breves inovações a nova versão. E é por isso que De Volta ao Lar soa caseiro e único ao mesmo tempo. Seja por retratar dilemas da identidade secreta (algo ainda inédito no MCU) na vida de um adolescente no ensino médio, ou pela estrutura formulaica que se segue durante os 3 atos, estabelecida nos filmes do estúdio. E esta sensação de familiaridade é absolutamente importante para o desenvolvimento afetivo de um filme que se arrisca – e acerta – ao não recontar a origem do herói, pois ao contexto do MCU, este artifício pode se tornar irrelevante. Com isso, a Marvel revela ciência de certas preferências de seu público.

Sendo assim, a maior visita ao passado serve para estabelecer as motivações do vilão de Michael Keaton, que ao utilizar artifícios de tensão e expectativa, desenvolve-se ao longo de seu arco. Aliás, Keaton faz mais um belo trabalho ao encarnar o inédito Abutre. Destaco principalmente sua interpretação em um diálogo intimidador em uma cena com Holland no carro (aprofundamentos aqui se tornariam spoilers). Ainda que fique a sensação de que Watts poderia explorar melhor a trama apresentada no carro, não deixando apenas para o futuro da franquia. Havia, claramente, uma bela oportunidade de desenvolver uma virada densa e urgente ao arco de Peter. Por outro lado, compreendo que os dilemas do protagonista tendem a passear por situações mais simplistas e leves devido a fase jovial da vida. Não espere que Peter tenha que escolher entre salvar sua tia ou a vida de centenas de pessoas, pois esta não é a proposta deste primeiro filme. Em De Volta ao Lar, o protagonista precisa escolher entre agradar sua “crush” ou perseguir seu inimigo. E acredite, funciona!

A direção de Watts é eficiente ao ponto de vista de história contada, tanto por descartar a origem do Homem-Aranha para dar espaço ao desenvolvimento de suas relações com personagens de apoio, quanto por explorar a fase da vida de Peter. Note como Watts faz questão de humanizar Peter ao lhe retratar sempre empolgado com seu propósito heroico. Embora o diretor demonstre inexperiência e lhe falte senso de estilo e assinatura para dar uma personalidade ainda mais significativa a De Volta ao Lar. Por exemplo, a direção estilosa de Sam Raimi contribuiu inegavelmente para o sucesso da trilogia estrelada por Tobey Maguire.

Com diversas referências a grandes fenômenos da cultura pop com o intuito de desenvolver empatia com o público, Watts reafirma sua inspiração em comédias colegiais de John Hughes para expor uma nova pegada de humor sarcástico e natural a De Volta ao Lar (novamente destaco a cena da foto do baile, que exibe o lado cômico do desconforto alheio), ainda que sirva para explorar a nostalgia – ou homenagem – a um público mais experiente. A grande referência a Curtindo a Vida Adoidado, por exemplo, extrai vibrações na sala de cinema. Inclusive, é através desta inspiração que Watts explora a importância dos personagens secundários na vida de Peter sem precisar coloca-los diretamente em perigo o tempo inteiro.

Homem-Aranha: De Volta ao Lar é um excelente trabalho nas mãos certas. Um filme sobre fragilidade, amadurecimento e o verdadeiro significado de querer ser um herói. Os grandes poderes e as grandes responsabilidades estão presentes no filme que tanto pedimos a Marvel.


Divulgaí

Deixe sua opinião:)