Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegação

Crítica: As Aventuras do Pequeno Colombo

Assistir ao desenrolar da história com a participação integra de todos os personagens é muito bacana, porque o filme não se fixa apenas no protagonista e dá liberdade dos outros personagens brilharem com suas emoções
Crítica: As Aventuras do Pequeno Colombo

As produções brasileiras têm ganhado espaço nos cinemas brasileiros ao lado de filmes norte-americanos, sobretudo sucessos que expõe as problemáticas sociais, a presença das pessoas e o valor histórico que o país carrega. E isso não exclui as animações. Com um currículo variado de curtas e longas, talvez não tão popular como grandes nomes de peso, o Brasil possui filmes animados que estão avançando as categorias. “O Menino e o Mundo (2013)”, por exemplo, indicado ao Oscar de Melhor Animação, representa uma forma de demonstrar e criticar um alvo a partir de recursos que não são reais, utilizando a imaginação e a criação para servir de referência em meio a densas massas de conteúdo propagadas por aí. Isso quer dizer que, de fato, ver uma animação brasileira de qualidade é ótimo, e saber que esse mercado está crescendo é igualmente gratificante.

Ao redor de filmes e super franquias como “Meu Malvado Favorito” e “Carros”, “As Aventuras do Pequeno Colombo” é um pontinho no meio de gigantes já reconhecidos por todos em qualquer lugar e que prometem “varrer” as bilheterias no próximo mês. O filme brasileiro é produzido pela Indiana Produções e distribuído pela Downtown Filmes, com direção de Rodrigo Gava.

O jovem Cris (Cristóvão Colombo) e seus amigos Leo (Leonardo da Vinci) e Lisa (Monalisa) vão atrás da lendária ilha de Hi Brazil, que esconde grandes tesouros que podem salvar a sua família da falência. Contudo, o plano não ocorre como esperado. Para garantir as suas próprias sobrevivências e impedir o triunfo de maus piratas, eles deverão combater o cruel povo das águas e sua terrível fera Nautilus. Claramente com um enredo baseado em personagens históricos, a magia da animação transforma os ícones em grandes aventureiros num clima pirata em alto mar.

In Memoriam, José Wilker encarna o personagem Conde Saint German numa belíssima interpretação, com potência e precisão na voz. Mab tem a voz doce de Isabelle Drummond, Dudu Drummond dá vida ao Cris e Alice Lieban mergulha na personagem Lisa com graciosidade e exatidão. O filme possui boas vozes e o enredo é amarrado, o que proporciona um ótimo passatempo aos fãs de animação. Há alguns raros deslizes na voz de um pirata, mas só nas primeiras cenas. Depois o áudio fica tão bom que parece algo ao vivo. A qualidade sonora dessa produção é excelente. A montagem e edição são congruentes, contendo apenas algumas falhas no roteiro e algumas onomatopeias soltas, o que, no entanto, não prejudica a essência da obra. Direção ótima e fotografia ótima, usando tons claros, fortes e primários, como se fosse um desenho mesmo. A trilha sonora também é relevante para o decorrer das ações dos personagens, juntando o clímax da batalha com a violência da tempestade no mar.

Por fim, um filme recomendável. Assistir ao desenrolar da história com a participação integra de todos os personagens é muito bacana, porque o filme não se fixa apenas no protagonista e dá liberdade dos outros personagens brilharem com suas emoções, intrigas e vontades, colocadas à mercê de muita esperança e desejo de buscar a conquista tão requisitada. É maravilhoso ver a ascendência das animações no cenário brasileiro e espero que cada vez mais elas ocupem o espaço que tanto merecem.


Divulgaí

Deixe sua opinião:)