Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegação

Crítica: As Aventuras de Ozzy

Crítica: As Aventuras de Ozzy

Diante de grandes animações produzidas nos últimos tempos, a fórmula criativa que se baseiam as projeções independentes é propícia a comparações com outros temas. É tendenciosamente ligada a forma como o filme se mostra e a forma como as inspirações também se mostram, isto porque influencia no produto final e, (in)felizmente, contribui diretamente a opinião do público que a assiste. Com isso, a minha diretriz aqui será de isenção de possíveis agregados comparativos e tentar modelar o filme como produto bruto, sem interligações.

Pois bem, As Aventuras de Ozzy é um filme produzido pela Arcadia Motion Pictures e distribuído pela PlayArte que conta a história de um pequeno Beagle que é hospedado num hotel para cães enquanto sua família faz uma viagem para o Japão. O grande golpe é que a sua estadia passa a ser o seu pesadelo quando Ozzy vira presidiário em vez de cliente cinco estrelas. A partir daí, Ozzy deve sobreviver entre os outros cães e tentar de algo modo sair daquele local.

A trama é sustentada no intuito de entreter a família com uma comédia de aventura divertida e realmente cumpre seu papel. O filme serve de passatempo para aqueles que estão a fim de curtir algo sem necessariamente ter algum tipo de impacto, bem como não assistir a um conteúdo ruim.

As vozes espanholas dos personagens são de alguns nomes conhecidos como Elsa Pataki (Maddie), Dani Rovira (Fronky), Pablo Espinosa (Mike), Michelle Jenner (Paula) e Guillermo Romero (Ozzy). A direção ficou por conta de Alberto Rodríguez e Nacho de La Casa. O cenário que foi montado tem como base as casas americanas, a estrutura e cores da animação tem uma paleta viva, com predominância do laranja e branco e, sobretudo, o longa contém algumas referências a grandes clássicos pincelados durante o decorrer das cenas.

Ao falar de animação, de cores vivas e alegres, a montagem foi pensada seguindo claramente o âmbito com apenas alguns desvios de edição – como uma tela preta onde não deveria estar, por exemplo - mas isso não impede o espectador de entender o produto final. A fotografia é bem direcionada, o roteiro tem algumas falhas e uso excessivo de onomatopeias para substituir emoções de alegria, tristeza e raiva e a animação dos personagens é um tanto peculiar, com traços meio estranhos. Porém sua edição final, com uma trilha sonora adequada, é aceitável.

Em suma, As Aventuras de Ozzy não é um filme marcante, mas também não é decepcionante. Um filme mediano, que erra em quesitos, acerta em outros, usa e abusa de recursos e entretém o público alvo no qual é direcionado, com elementos simples, sutis e confortáveis.

Divulgaí

Deixe sua opinião:)