Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegação

10 Trilhas Sonoras que Escolhemos Amar!

Quem nunca se emocionou durante uma cena de filme com aquela música especial?! Ou, ainda, ficou cantarolando (muitas vezes) sem perceber, aquela canção marcante tema de um filme que acabou de assistir?
10 Filmes com Trilhas Sonoras que Escolhemos Amar!

Quem nunca se emocionou durante uma cena de filme com aquela música especial?! Ou, ainda, ficou cantarolando (muitas vezes) sem perceber, aquela canção marcante tema de um filme que acabou de assistir?

O sucesso de uma obra cinematográfica não depende exclusivamente de sua sonoridade, podemos citar de exemplo inúmeros clássicos dirigidos por Charles Chaplin. Porém, atualmente, este é um recurso extremamente interessante e eficaz, tanto em questão de aumentar os lucros de uma produção com a venda de álbuns, quanto pela capacidade de uma trilha sonora bem elaborada transformar um filme em uma verdadeira obra de arte.

Afinal, o som certo tem capacidade de marcar permanentemente o cinema, como nos casos clássicos de “Kill Bill”, com “Battle Without Honor and Humanity” como música tema, a voz de Celine Dion em “My Weart Will Go On” para “Titanic”, a homenagem à Roy Orbison em “Uma Linda Mulher”, a belíssima “Unchained Melody” por The Righteous Brothers no filme “Ghost: Do Outro Lado da Vida” e ainda “(I've Had) The Time of My Life” em “Dirty Dancing: Ritmo Quente”, não deixando de fora, obviamente, as mais recentes produções musicais, como “Let It Go” por Idina Menzel em “Frozen” (ou alguém não consegue pensar em neve ouvindo esta música?).

A importância das trilhas sonoras em filmes cresceu tanto que atinge de forma significativa, inclusive, a indústria musical nos dias de hoje, aumentando a visibilidade de uma canção e artista, além da premiação do Oscar (mais prestigioso prêmio do cinema mundial) nas categorias “Melhor Canção Original” e “Melhor Trilha Sonora Original”. Por esse motivo, grandes nomes musicais são minuciosamente escolhidos no processo criativo dos diretores, como por exemplo, a série de filmes do Agente 007 que é famosa por seus temas centrais e conta sempre com nomes de peso para interpretá-los, como Madonna, Alicia Keys, Paul McCartney, Tina Turner, Adele e Shirley Bassey, entre outros.

Nossa lista das 10 trilhas sonoras que escolhemos amar é baseada em opinião particular, então se estiver atrás de bons filmes, músicas legais ou bons filmes com músicas legais, segure estas indicações e aperte o play.

10º A Garota de Rosa Shocking

Não tem como duvidar que as trilhas sonoras de filmes adolescentes são sempre cheias de sucessos musicais, afinal, agradar jovens nunca foi fácil, isso desde 1986, quando o diretor John Hughes caprichou nas aventuras da “Garota de Rosa Shocking”, transformando o filme em um clássico cult repleto de new wave, o que garantiu um álbum classificado pela revista Rolling Stones como uma das “25 Maiores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos”, possuindo canções de artistas como INXS, The Smiths e New Order:





9º Trainspotting

Devemos concordar que os anos 90 possuem os maiores clássicos, produzidos em uma época de grande expansão cinematográfica e musical mundial. Este álbum também entrou na lista das “25 Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos” da revista Rolling Stones, e o polêmico drama baseado na obra de Irvine Welsh tem em sua produção musical Blur, Iggy Pop e New Order, sendo obrigatório para quem acredita que a escolha da música certa pode potencializar totalmente as emoções durante um filme, como nesta cena em que ouvimos Lou Reed cantando “Perfect Day”:




8º Jovens Bruxas

Não é a toa que a Sony Pictures está desenvolvendo uma espécie de remake de “The Craft”, que apesar de ser produzido em 1996, e possuir canções de Love Split Love e Elastica, continua possuindo uma abordagem de assuntos extremamente atuais, como bullying e feminismo, sendo exemplo fiel de como boas músicas melhoram todo o contexto de uma produção mediana de cinema, fazendo com que o filme se torne, no minimo, memorável (memória afetiva da adolescência).




7º Guardiões da Galáxia

Um dos assuntos mais comentados após a estréia desta obra de 2014 dirigida por James Gunn e produzida pela Marvel Studios foi a estreia de seu álbum em primeiro lugar na tabela da Billboard 200 (lista semanal que classifica os 200 álbuns e eps mais vendidos do período) e as inúmeras críticas positivas de especialistas e do público quanto à produção musical retrô dos anos 70, com nomes de The Jackson 5, David Bowie, Marvin Gaye e The Runaways, o que se tornou uma das grandes marcas do filme.




6º As Vantagens de Ser Invisível

Neste caso fica difícil decidir entre o livro com todos os seus trechos de efeito e o filme de 2012, ambos de Stephen Chbosky, mas com certeza não se pode ignorar a incrível trilha sonora, que possui Sonic Youth, David Bowie, New Order, The Smiths e Cocteau Twins, fazendo com que “As Vantagens de ser Invisível” seja duplamente emocionante.




5- 500 Dias com Ela

Até que enfim uma comédia romântica (ou drama disfarçado de romance) que foge do convencional, com uma trilha sonora memorável, daquelas que se tornam bem mais que um complemento para a produção, fazendo com que, após assisti-lo, caso escute o álbum de forma aleatória, seja automaticamente lançado em alguma cena do filme, dando aquele efeito déjà vu pós “500 Dias com Ela”.




4º Quase Famosos

Tem como não amar um álbum eclético que tenha The Who, Led Zeppelin, David Bowie, Lynyrd Skynyrd, Simon e Garfunkel e Elton John? Exatamente, é amor à primeira vista. É por isso que “Quase Famosos” além de retratar o tour de uma banda pelos EUA, te leva em uma viagem musical sensacional!




3º Sofia Coppola: As Virgens Suicidas e Maria Antonieta

Você pode não gostar muito dos filmes de Sofia Coppola (bem vindo ao clube), mas tem que reconhecer que a elaboração das trilhas sonoras é um talento à parte da cineasta, que sempre encontra produtores talentosos capazes de retratar perfeitamente o contexto de seus roteiros em forma de música, exemplo disto são seus filmes “As Virgens Suicidas”, de 1999 e “Maria Antonieta”, de 2006, que são impecáveis musicalmente, sendo impossível se decidir entre ambos.

“As Virgens Suicidas” apresenta sua sonoridade dividida entre dois álbuns, compostos em maioria por canções dos anos 70, possuindo artistas como Styx, The Hollies e Bee Gees, entre outros.

Já “Maria Antonieta” tem um gênero mais moderno, composto de new wave e rock gótico, representado por The Strokes, Bow Wow Wow, The Radio Dept., Siouxsie e The Banshees, New Order e The Cure, sendo bastante aclamado e nomeado, inclusive, uma das “20 Trilhas Sonoras que Definiram os anos 2000” pela revista Empire.









2º A Festa Nunca Termina

Um filme sobre o cenário musical em Manchester no período dos anos 70 até os 90 é, inevitavelmente, delirante, uma overdose de música boa: Sex Pistols, Joy Division, The Clash, Happy Mondays e muito rock. Não teria como ser diferente e torna-se fundamental para os amantes da combinação de cinema com trilha sonora marcante.




1º Na Natureza Selvagem e O Fabuloso Destino de Amélie Poulain

E finalmente chegamos ao topo da lista com dois filmes de estilos bem diferentes, mas igualmente fantásticos!

Sabe aquelas escolhas impossíveis da vida? Uma delas, com certeza, é escolher entre qual trilha sonora merece o primeiro lugar: “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” ou “Na Natureza Selvagem”, isto porque ambas tiveram exclusiva produção musical, ou seja, mais incrível que um álbum de compilação de sucessos para representar determinado filme, só pode ser a produção de um álbum inédito com músicas exclusivas para escolhermos amar.

A tarefa de compor e produzir uma melodia própria e fabulosa, fazendo com que ela tenha função no enredo da história não é uma obrigação fácil e é por este motivo que, embora de espécies diferentes, ambos os filmes sejam verdadeiros referenciais neste quesito.

Na Natureza Selvagem”, de 2007, é um daqueles dramas sensacionais que te envolvem totalmente e remetem à inúmeras questões existenciais. Com grande sucesso, devido em parte à trilha sonora excepcional produzida por, ninguém menos, que Eddie Vedder (vocalista do Pearl Jam), o filme obteve nomeações nas categorias “Melhor Canção” e “Melhor Trilha Sonora” no 65º Globo de Ouro, tornando-se uma verdadeira obra de arte dirigida por Sean Penn.

Já “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, de 2001, é uma daquelas charmosas e lúdicas visões francesas, além de ser dirigido por Jean-Pierre Jeunet, o filme tem produção musical do renomado compositor Yann Tiersen, o qual abusa do som de inúmeros instrumentos em sua criação, desde piano e harpa até banjo e rodas de bicicleta, o que garantem emoção e fantasia a cada cena deste imperdível clássico do cinema.










Depois de assistir à todos estes filmes, uma coisa é certa: vai ser difícil parar de ouvir essas trilhas sonoras incríveis por muito tempo!!

Divulgaí

Deixe sua opinião:)