Loucos por Filmes

Loucos por Filmes

Destaques

Últimas

Navegação

Revisitando as obras de “Pedro Almodóvar”

Na próxima quinta-feira chega aos cinemas Julieta, o mais novo filme de Pedro Almodóvar. O longa que foi bastante aplaudido no Festival de Cannes desse ano marca o retorno do diretor ao universo feminino, no qual conta grandes histórias de mulheres fortes e independentes.
Revisitando as obras de “Pedro Almodóvar”

Na próxima quinta-feira chega aos cinemas Julieta, o mais novo filme de Pedro Almodóvar. O longa que foi bastante aplaudido no Festival de Cannes desse ano marca o retorno do diretor ao universo feminino, no qual conta grandes histórias de mulheres fortes e independentes.

Para você que quer conhecer melhor as obras do cineasta espanhol, antes de conferir a estreia do dia 7, listamos alguns filmes indispensáveis quando se trata de Almodóvar. Na lista estão três grandes registros que marcaram sua carreira, mas vale a pena conferir também Má Educação (2004), Volver (2006) e Ata-me (1989) para entender a genialidade e a excentricidade de suas obras.



   Fale Com Ela (2002) 

O filme conta a história de Benigno Martin (Javier Cámara), um enfermeiro que nutre uma paixão platônica pela bailarina Alicia Roncero (Leonor Watling). Quando a dançarina sofre um acidente e em coma é internada no hospital que Benigno trabalha, uma estranha relação é desenvolvida entre os dois, claro que unilateralmente. Também é mostrado, de forma paralela, o romance entre o jornalista Marco (Darío Grandinetti) e a toureira Lydia (Rosario Flores).

As histórias se cruzam quando Lydia entra em coma ao ser atingida por um touro, e é internada na mesma clínica. O enfermeiro que passa horas conversando com Alicia encoraja Marco a fazer o mesmo, já que o jornalista reage ao incidente com muita tensão e rispidez. Desse contato nasce uma inesperada amizade incondicional entre Marco e Benigno.

O roteiro fala de amor, mas de um jeito original e característico dos filmes de Almodóvar. Expõe os limites das relações humanas, o quão profundas podem ser, desafia os princípios éticos e tudo isso em um contexto totalmente inusitado. Imperdível.


   Tudo Sobre Minha Mãe (1999) 

Esteban (Eloy Azorín) em seu aniversário ganha de presente da sua mãe Manuela (Cecília Roth), um ingresso para assistir a peça “Um Bonde Chamado Desejo” protagonizado por Huma Rojo (Marisa Paredes). Quando se encerra o espetáculo, Esteban corre para conseguir um autógrafo da atriz, mas é atropelado e morre. Manuela decide ir à Barcelona contar o ocorrido ao pai do seu filho. Em sua jornada para encontra-lo, cruza em seu caminho para lhe ajudar o travesti Agrado (Antonia San Ruan), Rosa (Penélope Cruz) uma freira grávida que do pai da criança contraiu Aids e a estrela Huma Rojo.

“Já fui capaz de fazer qualquer coisa por você”, frase dita por Manuela a seu filho deixando claro que não mediu esforços para cria-lo. A obra evidencia não só a força de uma mãe para criar o filho, mas o poder da mulher. E isso é muito bem definido em todas as personagens do filme. Esse é um dos registros de Almodóvar que mais enaltece o universo feminino.


   A Pele Que Habito (2011)

Roberto Ledgard (Antônio Bandeiras), um renomado cirurgião plástico, está obcecado em criar uma pele humana mais resistente, após sua mulher ser carbonizada em um acidente e se suicidar. Traumatizada com a morte de sua mãe, Norma (Bianca Suarez) em sua primeira tentativa em se socializar após vários anos é supostamente estuprada e encontrada por seu pai Roberto desmaiada.

Completamente atordoado com a morte de sua mulher e a situação de sua filha, o médico se mostra um ser humano completamente sem escrúpulos e busca vingança, aprisionando o suposto estuprador da sua filha. Em paralelo a isso é mostrado Vera (Elena Anaya), também prisioneira de Roberto e usada como cobaia para sua experiência de pele artificial.

O filme foi vendido pelo diretor como um terror sem sustos ou gritos. E ele entrega isso, um terror psicológico, o expectador é tomado por um desconforto em ver a relação de obsessão que o médico tem com sua prisioneira. E à medida que trama vai se desenvolvendo e os mistérios se resolvendo a perplexidade e a angústia são os sentimentos que definem o final dessa excelente obra.


Divulgaí

Deixe sua opinião:)